Um processador AMD Geode LX800 de 500 MHz, HD de 60 GB e 512 MB de RAM. A configuração pode até parecer mixuruca, mas imagine que a CompuLab colocou tudo isso dentro de um case de 10 x 11 x 3 cm, aí o negócio fica legal.
O fit-PC Slim é o novo modelo de PC magrinho da fabricante, que costuma tentar apertar o maior número de componentes possível dentro do menor gabinete.
A maquininha ainda tem boas opções de conectividade, como Ethernet, três portas USB, saída VGA e serial. A anteninha é da placa Wi-Fi, que também funciona como roteador sem fio.
O micro chega às lojas lá fora no dia 25 deste mês, em quatro versões: uma com Ubuntu, custando 295 dólares, e outra com Windows XP, por 335 dólares. As outras duas não têm disco, nem sistema operacional. A com 256 MB de memória sai por 220 dólares, e a com 512 MB, 245 dólares.
Anúncios

Depois de muito barulho e pouco resultado por parte da OLPC, o fabricante chinês HiVision resolveu entrar no mercado de laptops de baixo custo. O modelo NB0700 da foto acima vem com Linux, LCD de 7 polegadas, processador de 400MHz com arquitetura MIPS,  64MB de RAM, Wi-Fi, Ethernet,  três portas USB, 1GB de flash e um leitor de SDHC. O equipamento chega ao consumidor Chinês em Novembro por US$ 98.

A empresa também irá comercializar uma versão mais potente, o NB0800, que vem com processador 1.6GHz da  Via e tela de 8.9 polegadas. Este modelo sairá por US$ 299.

Um protótipo do aparelho foi apresentado na ABTA 2008, feira da Associação Brasileira de TV por Assinatura. Ele transmite imagens na resolução de 1080i e grava o conteúdo num HD de 500 GB.O serviço é similar ao Sky +, iniciado no ano passado pela operadora de TV por satélite. O software do decodificador permite uma série de recursos de gravação de programas, como agendamento e biblioteca de seriados. Os equipamentos anteriores, no entanto, possuíam HD de 160 GB. O novo decoder, com 500 GB, grava até quatro horas de programação em resolução digital convencional e uma hora para conteúdo na resolução de 1080i (os valores são nominais).

Nas conexões, o decodificador vem com porta HDMI, vídeo componente e RCA. Há também uma porta Ethernet, para conexão com a biblioteca do Windows Media Player, e SATA, para HDs externos.

O fluxo do conteúdo, no entanto, é unidirecional. Ou seja, para evitar que o usuário salve num HD ou no PC a programação da SKY, protegida por diretos autorais, tudo é criptografado. No final das contas, a programação da SKY só pode ser vista no aparelho, mesmo com o armazenamento sendo feito em outros dispositivos.

Não há preço definido ainda para o serviço. A SKY reclama da escassez de conteúdo em alta definição de emissoras abertas e pagas. A expectativa, no entanto, é lançar o decodificador no início do ano que vem, quando a empresa acredita que a oferta de programação em alta definição esteja mais abundante. Também ainda não há preço definido.

 

 

Depois da Asus com seu EEPC, a Positivo resolveu apostar na idéia e vai lançar em breve sua versão de mini-note no dia 23 de maio.


Este é o Mobo, o primeiro ultraportátil da fabricante brasileira Positivo Informática. E, convenhamos, a maquininha surpreende.

As configurações são basiconas, como se espera de um computador assim: processador VIA de 1 GHz, 512 MB de memória RAM e capacidade de armazenamento em memória flash de 2 GB, que pode ser aumentada com o uso de cartões SD, MMC, MS ou com um HD externo. A tela é de 7 polegadas e a bateria tem autonomia nominal de 4 horas.

O sistema operacional é um Windows XP Home com algumas modificações. A Microsoft, que estava presente no anúncio esta manhã, disse que manterá a distribuição da versão do XP para ultraportáteis até 2010. As versões clássicas do XP deixam o mercado até o final de junho de 2008.

Mas voltemos às configurações. O Mobo traz duas portas USB 2.0, webcam integrada e Wi-Fi nos padrões b e g. Nos aplicativos de escritório, esqueça o Office, mas ele já vem com o BrOffice pré-instalado, uma boa!

O teclado é em português, um pouco desconfortável, por causa das teclas pequenas. Por isso, não vá esperando uma incrível experiência de navegação na maquininha. Usamos por alguns minutos (em pé, apoiado tranquilamente na palma da mão). A imagem na tela não é das melhores, fica um pouco embaçada, sem brilho. E mesmo a navegação no IE é um pouco prejudicada em sites que possuem páginas muito largas.

Mas dá pra se acostumar principalmente se pensarmos que é um equipamento para se usar em ambientes, digamos, “ultra móveis”.

Sim, o próprio presidente da Positivo, Hélio Rotenberg, disse que não é porque o Mobo é um notebook barato – o preço no varejo será de 999 reais – que o foco dele é no consumidor de baixa renda, como os da classe C, responsável por 67% das vendas da Positivo em 2007. “O Mobo é um segundo notebook do usuário, muito mais voltado para as classes A e B”, afirmou Rotenberg durante a coletiva.

De fato, o Mobo é muito prático para levar numa reunião ou para a sala de aula. Outros atributos são o peso – apenas 1,1 Kg -, além de ser pequeno o bastante para caber dentro da bolsa e passar despercebido por ladrões.

Apesar de ser difícil escolher entre o Mobo e o ultraportátil mais popular do mundo, o Eee PC, da Asus, há de se levar em conta o preço mais baixo (o Eee PC sai por cerca de 1 200 reais em lojas online conhecidas) e a capacidade de produção em massa e suporte da Positivo. Achar um Eee PC à venda hoje não é tarefa das mais fáceis, principalmente para quem está fora dos grandes centros comerciais.

HP Pretende entrar pesado na briga





Na terça, Hewlett-Packard deve anunciar oficialmente o lançamento de seu concorrente para a categoria. O mini-notebook pesa 2.6 pounds, tem uma tela de 8.9 polegadas e resolução de 1280×768. Como opcionais tem a Webcam, o sistema operacional e o armazenamento: por $499, o equipamento virá com SUSE Linux e com um drive SSD de 64GB.

O Mini-Note também tem Wi-Fi, portas USB e Ethernet.